Amores, para comemorar o mês do orgulho traremos reviews de vários filmes LGBTQ+ ótimos, mas não só orientais, mas ocidentais também. Temos uma listinha que vocês vão amar.

O filme Com Amor, Simon é bem recente, foi dirigido por Greg Berlanti e foi estrelado pelo ator Nick Robinson, dando vida ao personagem principal, Simon. Esse filme é uma comédia, mas que explora temas complexos, como a “saída do armário” de uma maneira mais leve.

Em Com Amor, Simon, vemos a história Simon, que é um adolescente, já nos anos finais do seu ensino médio, que já sabe que é homossexual, mas não disse ainda aos amigos e à família, por medo de decepciona-los e ser tratado de maneira diferente.

Simon é muito carinhoso com os amigos e a família, mas ainda assim é muito introvertido, e por não ser assumido, nunca namorou. Ele tem um crush enorme no seu vizinho (quem nunca hahah) hetero. Como todo adolescente, vive na internet e em chats, e é assim que ele conhece “Blue”, o seu correspondente anônimo, que também é um adolescente gay não assumido.

Ele então passa há conversar todo dia com “Blue”, se envolvendo cada vez mais e acaba se apaixonando. Então, começa uma corrida e várias confusões para que ele consiga descobrir quem é na realidade o seu querido “Blue”.

Mas, quando tudo parecia ótimo entre Simon e “Blue”, um garoto da sua escola consegue os e-mails dele e começa a chantageá-lo, ameaçando contar a todos sobre sua orientação sexual, caso ele não ajude o garoto a ficar com uma de suas amigas, Nesse meio tempo também, outra de suas amigas começa a vê-lo com outros olhos.

 

 

 

 

 

 

Para não ser exposto, Simon toma uma série de decisões ruins, que acabam por afasta-lo dos amigos, do “Blue” e criando problemas com a sua família também. Mesmo fazendo tudo isso, Simon ainda é forçado a “sair do armário” e tem sua sexualidade revelada a todos pela web. Então a vida dele vira uma confusão maior ainda.

Porém, ele passa um tempo sozinho, refletindo sobre tudo o que tem feito para as pessoas que mais ama, machucando-as, simplesmente por tentar esconder quem ele realmente é. Até que ele percebe que não tem do que se envergonhar. Ele é gay, sim, mas isso não é errado e não faz dele uma pessoa ruim.

Então, temos as várias cenas emocionantes que eu adoro no filme. Temos ele contando pra família, com a mãe e a irmã mais nova dele sendo super compreensivas com a situação toda, e o pai, que tenta ser engraçado pra aliviar a situação, mas deixa Simon com a raiva e desconfortável. Logo, depois, tem uma das cenas lindas, quando o pai dele se desculpa por ter sido um idiota hetero por tanto tempo e por nunca ter percebido como isso fazia mal para o próprio filho, e então eles se abraçam, o pai faz uma brincadeira, deixando tudo mais leve, como é característica do filme, a leveza.

 

 

 

 

 

Não vou contar o final dele com “Blue” porque vale a pena demais ser assistido, mas posso dizer que temos sim um happy end, como o Simon merece. No fim, ele aprende não há nada mais libertador no mundo do que ser você mesmo, sem medo, sem amarras, aceitando e amando quem você é. Também é importante entender que ninguém deve ser “expulso do armário”, pois cada um sabe se deve sair e que hora é melhor sair.

Em minha opinião, esse filme é muito leve e fofo, e passa lindas mensagens de forma leve. Com ele vemos que devemos nos amar e nos aceitar como somos que não está errado ser diferente da maioria das pessoas e que para ser amado por alguém devemos nos amar antes de tudo.

Meus amores, neste mês do Orgulho e sempre, tenham muito orgulham de quem vocês são. Não tenham medo ou vergonha, vocês são especiais como são, sejam livres, vivam e amem quem vocês quiserem. Mas, antes de amar outra pessoa, lembre-se de amar você mesmo primeiro, pois o amor próprio é o mais importante.