Home Matérias Especial dia dos pais: Together With Me

Especial dia dos pais: Together With Me




Olá meus bombons de licor, tudo bem com vocês?

Vamos dar continuidade a série de matérias sobre os nossos queridos – na maioria das vezes – pais dos Bl’s. E hoje nosso foco são os pais da nossa eterna, querida e amada Together With Me.

 

 

Together With Me, foi uma fonte de cenas quentes, fortes, desenvolvimento da sexualidade, descoberta da paixão e muito mais. Ou seja, foi o início de um conto de fadas.

Já Together With Me: Next Chapter, bom não podemos entupir de elogios como a primeira temporada. Como dizem nada agrada a todos, e a segunda temporada seguiu essa regra. Nós tivemos traições – a raiva de vocês pelo Pete já passou? Porque a minha falo com total tranquilidade, a “chama” continua acessa – lágrimas em abundância, e mil e um outros pontos negativos que poderíamos citar. Assim como, pontos negativos temos positivos que não devem ficar no escuro mais sim ser enaltecidos, até porque tudo e todos tem seu lado bom e ruim. Entretanto, hoje nós não vamos dissertar sobre Together With Me em si, mais sim dar destaque a duas figuras em questão que tiveram papéis distintos na trama da série.

Os pais.

 

 

Os dois ao descobrirem que seus filhos viviam um relacionamento reagiram de formas totalmente contrárias, e é importante ressaltar em como a série foi fiel a realidade nesse aspecto, a vida não é perfeita e doce como é demonstrada em alguns Bl’s – muitos de vocês sabem disso bem melhor que eu – obviamente temos os pais que abraçam e acolhem os filhos ao descobrir sua sexualidade, contudo também temos os que excluem, agridem e negam até o último segundo se recusando a acreditar que seu filho é gay.

E em Togethe With Me: Next Chapter nós tivemos a oportunidade de acompanhar essas duas realidades. Para iniciar vamos com o pai do Knock.

 

 

Esse senhor me conquistou em segundos com seu jeito doce e cômico, ao lado de sua esposa ele resolveu colocar a felicidade de seu filho acima de todo e qualquer preconceito, dando amor e apoio a ele ao passar por essa situação que é qualificada como um tabu, o momento de “sair do armário” e se assumir para pessoas tão importante em nossas vidas, nossos pais ou familiares.

Todos sabem como a base familiar forte nos encoraja a driblar todos os desafios, e o apoio desses que estiveram sempre ao nosso lado nos dá um “gás” a mais. A cena em que Knock toma coragem para assumir de vez seu relacionamento com Korn é a causa da utilização de muitos lencinhos mundo afora, cansado de esconder seu amor por Korn e buscando provocar um certo impulso no namorado ele “pula” esse grande obstáculo e abre seu coração aos seus pais.

Que reagem da forma mais amorosa possível. – sei que hoje o foco é nos pais porém não posso deixar de destacar a mãe icônica que Knock tem, rainha sem defeitos – Dizendo a frase que eu desejaria que todos ouvissem, mas infelizmente não é o que acontece eles proferem que o importante é o amor, e que independente de quem ele ame ou com o que se identifique ele continua sendo sendo filho deles. A felicidade é o que mais importa, e não com quem ele se relaciona, se ele se sentia feliz ao lado de Korn que continuassem assim. – mal sabia o pobre Knock que quando ele dava esse passo tão importante o idiota (por falta de palavra melhor) do Korn estava o traindo com o escroto do Pete.

 

Mesmo sem saber muito bem como lidar com a homossexualidade, (ou bissexualidade) talvez até por falta de conhecimento – é o que arrisco pela cultura tailandesa, ou foi apenas uma forma de trazer um alívio cômico a situação, uma das duas – de seu filho, um exemplo foi quando após já estar ciente do namoro do filho ele pergunta a esposa se ela iria ajudar Knock com dicas de beleza, pois não queria uma “filha feia”, o que foi engraçado momentâneamente porém me levou a pensar se era realmente verdade ou apenas uma brincadeira. Fica a incógnita.

Como começamos com a parte boa vamos para que deu um pouco mais de trabalho. O pai do Korn.

 

 

Aquele que foi aval para o pontapé inicial no desandar da união de Korn e Knock. A relação dos dois sempre foi mantida, por “de baixo dos panos” quanto a família de Korn. E a aproximação de seu pai ao apartamento dos dois causou total desespero em Korn, que tinha consciência que seu pai jamais aceitaria o relacionamento dos dois. Ele chegou a “pedir” para Knock se afastar um tempo da casa deles para que seu pai pudesse “checar” a área e por fim as desconfianças que o perseguiam.

Contudo todo trabalho foi falho, o pai de Korn findou todas as suposições e transformou as em fatos confirmados pelo próprio filho que cansou de mentir e também abriu o jogo com o pai.
E mais uma vez vemos que eles “desconheciam” a homossexualidade pois novamente, a imagem do homem gay foi a ligada a de uma mulher, como que se por ser gay ele quisesse de transformar uma mulher, o que não era verdade. – pelo menos valeu para ver o Max todo montado, aliás lindíssima porém prefiro o Tul.

 

 

A atitude de seu pai foi, como dito anteriormente, totalmente contrária a do pai de Knock. De início ele ficou na fase da negação, não podendo acreditar no que os lábios de Korn proferiram ao contar sobre seu – até então – relacionamento com Knock, chegando a dizer a frase que se tornou até repetitiva como respostas de alguns pais “você tem que voltar a namorar mulheres”, e aí notamos a total falta de conhecimento de um pai com o filho, até porque Korn nunca chegou a se relacionar com um mulher.

Com o tempo o distanciamento que ocorreu entre os dois – iniciado pelo pai de Korn, que não aceitava de forma alguma a homossexualidade do filho – foi diminuindo, e o pai dele notou que no final de tudo Korn continuava sendo seu filho, e o medo de perder-lo era maior que qualquer impasse nas opiniões, pelo modo de vida que Korn levava. – essa fato ficou bem claro, na preocupação ao descobrir do acidente de Korn. Nunca vou superar a cena do hospital pessoal, todos chorando os pais de Korn preocupadíssimos e no final ele sai apenas com um machucado no braço, a devolução de lágrimas acontece?

 

No final o pai de Korn também aceitou seu filho, assim como o de Knock e após todas as complicações tanto nos relacionamentos familiares quanto no amoroso em si, terminou bem. Korn e Knock juntos – não para alegria de todos, muitos não concordaram com o final, não é mesmo – e as famílias unidas pelo amor dos dois.

Existem vários “perfis” de pais, e em Together With Me nos notamos dois que são bem comuns, o que aceita e acolhe – espero que esse se torne cada dia mais comum, amém – e o que de início nega, mas com o tempo foi se acostumando com a sexualidade do filho, e o acolheu afinal quem ele ama é apenas um detalhe, e a felicidade dos filhos é o que mais importa.

 

Entãomeus amores por hoje é isso beijos e até a próxima.

Laysa
Laysa
Laysa ou Lays é uma garota apaixonada por leitura, culinária e cinema. Em especial cadelinha do TXT e amante de Doramas. Colunista da família BLB e podem me achar também lá pelo canal no telegram é isso ❤️
Laysa
Laysa
Laysa ou Lays é uma garota apaixonada por leitura, culinária e cinema. Em especial cadelinha do TXT e amante de Doramas. Colunista da família BLB e podem me achar também lá pelo canal no telegram é isso ❤️
4,278FansLike
3,467FollowersFollow
7,201FollowersFollow
1,800SubscribersSubscribe

Mais Lidos

BLAWards 2019 – Vote No Seu Favorito

(function(d,s,id){var js,fjs=d.getElementsByTagName(s);if(d.getElementById(id))return;js=d.createElement(s);js.id=id;js.src='https://embed.playbuzz.com/sdk.js';fjs.parentNode.insertBefore(js,fjs);}(document,'script','playbuzz-sdk'));

Until We Meet Again

%d blogueiros gostam disto: