Acho que algumas pessoas tem acompanhado o “reboliço” que está acontecendo envolvendo a série TharnType The Series nas redes sociais. Então pegando um pouco o fio da treta (Treta Thread, entendedores entenderão), hoje eu vou comentar sobre alguns clichês pesados que são recorrentes em algumas obras do gênero Boys Love. Como uma veterana nesse gênero, não é difícil de observar que o relacionamento de personagens gays no gênero BL é desenvolvido por meio de ações e situações controversas até o patamar do absurdo e contra a integridade física e mental de muitos personagens.

Esse tipo de abordagem é vista em Junjou Romantica, anime lançado em 2008, aonde o ponto de partida do casal principal, Misaki Takahashi e Akihiko Uami, ocorre a partir de um assédio sexual.

Em A Round Trip to Love, após um termino conturbado, o personagem Lu Feng sequestra seu ex-namorado Xiao Chen, porque se sentiu traído após ser abandonado por Xiao Chen e descobrir que o mesmo se casou com uma mulher. Lu Feng o droga, constantemente mantém relações sexuais sem o consentimento do Xiao Chen e as cenas são conduzidas com uma trilha sonora romântica ou sexy.

Em TharnType The Series, há muitas problemáticas como o Tharn assediando frequentemente o Type, mesmo o Type parecendo não gostar do que está acontecendo e pedir para que o Tharn pare; o trauma do Type ser deixado de lado para o relacionamento se desenvolver mais rápido e o destino do personagem Lhong.

Type: Me solta /Me desculpe. Por favor, me solta.
Tharn: Eu só quero te ajudar a relaxar. Fique calmo.

O ponto que realmente quero destacar é a falta de desenvolvimento do trauma do Type. Mostrar na série a necessidade do acompanhamento psicológico no auxílio à vítimas como ele, para conseguirem lidar com o trauma seria significativo, já que esse trauma pode gerar vários distúrbios como ataques de pânico e depressão. Abordar um tema dessa magnitude em séries exige responsabilidade. Sobre o personagem Lhong, não houve punição pelos seus crimes, mesmo que os personagens não encontrassem provas suficientes, ele deveria ter sido exposto de alguma forma pelos seus crimes.

Cena que faz referência ao trauma do Type.

Depois de tudo isso, vocês devem estar pensando que eu odeio a série, né? Não, eu gosto da série como muitas pessoas, ela tem pontos positivos como a química do casal, o relacionamento deles se tornando mais saudável, a mudança do Type em tentar corrigir os seus defeitos, a família do Tharn que apoia o seu filho independente da sua orientação sexual, entre outros. Mas existem situações que poderiam ter sido evitadas na série. O errado não é mostrar uma situação de assédio ou violência. O problema está em romantizar isso e criar uma imagem de que personagens gays se relacionam dessa forma, tanto para pessoas cis que não convivem com pessoas LGBTQ+ quanto para pessoas LGBTQ+ que estão descobrindo sua sexualidade, principalmente em países asiáticos conservadores e preconceituosos como a Tailândia.

Eles combinam muito!

Nós, como consumidores, temos o dever de criticar quando percebemos que uma série não está fazendo a abordagem correta sobre determinado assunto, mas o essencial é criticar de forma construtiva e não cancelar a série e todos os envolvidos. Além disso, também respeitar outras pessoas que discordam de você, já que todos tem direito a um posicionamento. Não vamos brigar, vamos discutir.

Hoje estamos em uma realidade onde a internet nos conecta com todos em qualquer lugar do mundo. Então dê sua opinião de forma limpa. E quem sabe com cobranças do público seja do país em que é veiculado a série ou o público internacional, as próximas séries do gênero sejam retratadas de acordo com os temas propostos.

Obrigada por lerem a matéria, continuem acompanhando a Boys Love Brasil aqui pelo site e nas redes sociais. E, pra quem não sabe TharnType The Series foi renovada. Então, vamos esperar pelo melhor, por que nosso casal favorito vai ter mais outra rodada para mexer com as nossas emoções.

Bjssssss