Olá meus bombons de licor, tudo bem com vocês?

Dando continuidade as matérias sobre o mês das mulheres vamos conhecer um pouco mais de Joana D’arc.

 

Santa, mártir, bruxa… A francesa ganhou diversos títulos. Joana D’arc nasceu na França no ano de 1412. Foi uma importante personagem da história francesa, durante a Guerra dos Cem Anos (1337-1453), quando seu país enfrentou a rival Inglaterra.

 

A garota de 16 anos, camponesa e analfabeta, que desejava ver o príncipe da França. Dizia que, sem ela, o reino estaria perdido. Convenceu um parente, a levá-la ao vilarejo onde nascera e vivia, Domrémy, até a cidade mais próxima, Vaucouleurs.

 

Fez seu pedido ao comandante militar local, Robert de Baudricourt. Robert desvalidou as falas da menina, afinal quem acreditaria?

Mas Joana fez a ele uma previsão: os franceses estavam para perder uma importante batalha em Rouvray, nos arredores de Orleans. Quando as notícias da derrota chegaram a Vaucouleurs, Robert passou a ver a jovem com outros olhos, estava certa afinal. No século 15, as pessoas acreditavam que Deus se comunicava por meio de profetas.

 

O príncipe Carlos VII também acreditou nela. Ele aceitou recebê-la em seu castelo, e realizou um teste para mesma. A jovem passou no teste, diretamente e falou diretamente com Carlos. Depois contou a ele que tinha recebido uma missão divina.

 

 

Precisava salvar a França. Nunca tinha nem sequer presenciado uma batalha de perto. Mas eram ordens de são Miguel, santa Catarina e santa Margarete.

Joana tinha visões desde os 13 anos. Elas vinham na forma de uma luz muito forte, e dentro dela a garota conseguia distinguir pessoas lindíssimas. Explicou tudo isso ao príncipe, que lhe deu uma espada e um escudo.

A jovem seguiu com uma tropa de 7 mil homens para reforçar as forças que tentavam retomar a cidade de Orleans. Naquele momento, a França estava desgastada pela Guerra dos Cem Anos, travada contra os ingleses desde 1337.

Tinha sido varrida pela peste e estava dividida entre grupos políticos. Joana ajudou a França a dar a volta por cima.

Orleans foi recuperada em apenas nove dias. Joana lutou pouco, não matou ninguém e ainda saiu ferida na altura do seio direito. Ainda assim, o resultado inesperado, uma vitória relativamente tranquila, fez dela uma heroína. Seguiu-se então uma série de conquistas, que levaram Carlos até Reims, onde foi coroado rei, como a jovem havia prometido.

Mas Joana D’Arc acabou presa pelos inimigos. Um julgamento nos moldes da Inquisição foi realizado com o suporte de religiosos nascidos na França, mas aliados da Inglaterra.

Joana acabou condenada por vestir-se como homem. Queimou na fogueira na praça de Rouen. Anos depois o julgamento foi revisto e Joana foi inocentada pós-morte e canonizada. Hoje é uma das padroeira da França.

O fascínio pela história inspirou lendas e mitos. Uns dizem que Joana sobreviveu à fogueira. Outros acreditam que ela era filha bastarda da rainha Isabel da Baviera e do duque Luís de Orleans, irmão de Carlos VI.

Momento história finalizado, esse foi um pouquinho da história da lendária Joana D’arc. Espero que tenham curtido, beijos e até a próxima.